Brasileiro desbrava Los Angeles – Entrevista Internacional

André Bianchi (CEO A Magia do Mundo dos Negócios) entrevista Lucas Judice diretamente de Los Angeles. Brasileiro que mudou com a família para Los Angeles e que hoje de lá lidera o evento Venture LA. Confira abaixo:

1) Lucas, gostaria que nos contasse quais os motivos que o levaram a mudar-se para os EUA e também quais os principais desafios em seu inicio como empreendedor e investidor. 

Vim para os Estados Unidos para fazer um Direito em Business Law pela Universidade da California e me apaixonei por Los Angeles e pelas oportunidades que a cidade e o ecossistema me deu de internacionalizar a MidStage Ventures, que é uma venture builder, ou uma espécie de aceleradora de startups. A cidade de Los Angeles é muito aberta a estrangeiros, sobretudo latinos. Foi fantástica a experiência de mudar para cá e ainda trazer toda a família. A MidStage nasceu naturalmente como uma venture-builder, mesmo antes desse nome se popularizar. Realizei investimentos iniciais em startups e deram errado, justamente porque não havia profissionalismo e estrutura sólida das startups que receberam o aporte. E eu era o cara captando o investidor além de também investir. Além de perder o capital investido, ficava numa situação ruim com as outras 2 partes, investidores e startup. E foi com essas experiências negativas que nasceu o modelo de negócios da MidStage, que visa construir (build) um negócio (venture) dando solidez e maturidade para, só depois, receber investimento. 

2) O Termo Venture-Builder aqui no Brasil ainda é pouco conhecido e você é um dos pioneiros a entrar neste ramo. Poderia nos falar um pouco a respeito e também como se difere de aceleradoras e até mesmo incubadoras.

A MidStage é a primeira venture builder do Brasil. E, como mencionei, éramos uma venture builder sem saber do nome. O modelo de negócios (serviços por % + fornecimento solidez e maturidade) é que nos parecia mais lógico do que uma aceleradora. 

Atualmente o mínimo de consenso que existe na diferenciação entre incubadoras, aceleradoras e venture builders é que: Incubadoras têm alguma relação com Universidades e/ou academia; Aceleradoras consistem em aporte de capital baixo, espaço e mentoria por um período de tempo. Venture Builders a seu turno, vêm à somar ao movimento como um todo, e o propósito é auxiliar com serviços e muita mão na massa em diversas áreas do conhecimento.

Entendemos que não faz muito sentido aportar 20-30-50 mil reais em startups early-stage sem direcionar o gasto, pois não raro o dinheiro é utilizado de maneira imprecisa e/ou sem entender os porquês e prioridades. Não deve haver, portanto, um prazo curto de “aceleração”, mas um processo de “construção” que se prolonga na aquisição de maturidade do time e do negócio. A probabilidade dessa startup ter sucesso acaba sendo mais alta, em nossa opinião.

 

3) Outro atividade que você desenvolve em solo americano é o evento Venture in LA, que este ano deverá ir para segunda edição. De onde surgiu a ideia e qual o perfil do público que participa? 

Venture in LA 2014 teve um propósito muito claro: mostrar que Los Angeles não é só a capital do cinema e entretenimento, mas expor a realidade do mundo tech daqui, que hoje é considerado como a 2a maior capital dos EUA em termos de investimentos e número de startups, e 3a do Mundo (atrás de São Francisco e Tel Aviv). A grande diferença entre Los Angeles e São Francisco, por exemplo, é que LA é cosmopolita, diversa e muito aberta a estrangeiros. São 48% de latinos em Los Angeles. São Francisco tem um glamour e um marketing legal, é uma puta cidade, mas com um mercado de investimento muito focado em ex-Googles, ex-Facebooks, ex-Linkedins e por ai vai. A barreira de entrada em SF é muito alta, e, além disso, é bem mais cara. Então a ideia do VinLA nasceu com a proposta de mostrar Los Angeles, e em 2015 queremos responder a pergunta: “Porque Los Angeles será o próximo destino de sua startup?”. Sobre o perfil do público participante, em 2014 foram empresas Brasileiras early-stage. Em 2015 o escopo se abriu para a América Latina, sobretudo após apoio institucional da Prefeitura de Los Angeles, o que nos abriu oportunidades com grandes comunidades latinas locais. Buscamos latino-americanas early stage. O processo de inscrição, aliás, é super simples: basta um email e o nome. De resto, seguimos um bate-papo por Skype, que é a melhor forma de conhecer o empreendedor que quer expandir internacionalmente (conhecimento ou operação).

 

4) Ainda sobre o Venture LA, como tem sido a participação dos empreendedores brasileiros?

Foto Divulgação

Foto Divulgação

 

Em 2014 só vieram Brasileiros. Foram 12 startups e 15 pessoas participando. Foi fantástico. A energia e o gás/vontade de aprender e conhecer é fenomenal. Terminamos o evento no ano passado com uma visita ao Jim Gillian, CEO da Nation Builder (uma startup de Los Angeles com mais de 100mm em investimentos).

O Jim tem uma trajetória de vida muito inspiradora e foi até um palestrante do Ted Talk com o tema “A internet é minha religião”. Vale a pena procurar no Google. Os brazucas voltaram com aquele gás extra que precisavam após esse papo. Foi muito bacana.

 

5) Los Angeles é uma região que nem sempre aparece nos mapas de empresas digitais, de tecnologia dos EUA. Porem, números e estatísticas nos mostram que muitas empresas tem se desenvolvido nesta cidade e arredores. Você que empreende e investe nesta região, confirma esta tendência? 

Los Angeles vem sendo apontada como a sucessora do Vale do Silício. É obvio que essa mudança não ocorre de um ano ao outro, mas os números são animadores. Entre 2013 e 2014 o número de exits (desinvestimentos) aumentou em 233%. O valor em investimento em startups só na cidade de Los Angeles foi de 1.5 bilhão de dólares, ao passo que no Brasil inteiro foi de 670 milhões de reais. É gigantesca a diferença – também se considerar a extensão do território. Além disso, há índices apontando Los Angeles como a 2a maior capital dos EUA para startups e a 3a maior do mundo. Outros canais chamam Los Angeles de “Cidade das Startups”.  E parte disso é a paixão por tecnologia do Prefeito de Los Angeles, Eric Garcetti. Fato curioso: ele era um programador! Há uma tendência muito forte no apoio do Governo local a essa onda tech na cidade, e uma região que está recebendo muita atenção é a chamada Playa Vista, que fica perto da também famosa Silicon Beach, entre Santa Monica e Venice Beach. Essa região já atraiu gigantes como Google (que além de ter uma sede, comprou 4 quarteirões na região), Facebook, Microsoft, Uber, Snapchat e outros.

 

6) Quais os principais erros cometidos por empreendedores que pretendem levar seus negócios para os EUA. 

Afobação e desconhecimento. Eventos do estilo “missão comercial” são essenciais para ajudar os empreendedores a entender melhor a comunidade local e as necessidades que tem antes de internacionalizar. Além disso, sempre sugiro que os empreendedores fiquem na região para a qual querem internacionalizar por pelo menos 2 meses antes de tomar a decisão. Vá, alugue uma casa, viva e sinta o local. Crie network, trace estratégia e próximos passos, e depois tome a decisão de efetivamente sair do Brasil.

 

7) Deixe uma mensagem para os Empreendedores Brasileiro que tem interesse em conhecer ou até mesmo identificar oportunidades em Los Angeles. 

Sou suspeito para falar (*risos), mas Venture in LA sem dúvidas é uma grande porta de entrada ao mercado. Além do propósito educativo de business e aproximação com investidores que há no VinLA, nesse ano teremos um despachante coletando informações dos participantes que quiserem abrir uma empresa nos Estados Unidos, além de consultoria jurídica gratuita para entenderem como é ter uma empresa por aqui. A startup chegará no Venture in LA brasileira e sairá do VinLA internacional. Isso é fantástico! 

 

André Bianchi


André Bianchi
Linkedin: br.linkedin.com/in/andrebianchi10
Facebook: https://www.facebook.com/andre.bianchi.92
CEO e Diretor de Missões Internacionais ao Vale do Silício BWi Participações (desde 2013) (www.bwiparticipacoes.com.br)
Sócio e Conselheiro Grupo GV8 (Desde 2006) (www.gv8.com.br)
Sócio – Diretor de Negócios A Magia do Mundo dos Negócios ( www.amagiadomundodosnegocios.com.br)

Presidente ABRADi-ISP (2013-2015),
Diretor Comitê Empreendedorismo ABRADi Nacional ( 2015-2016)
Investidor: IEV Digital, Terere House, Fraternal Shop, PPt Slides e Certificadora Digital Gigatron Bauru
Membro Banca de Investidores Acelera Startup – FIESP ( 4ª e 5ª Edição)

 

kit

tag: andré bianchi, entrevista internacional, Lucas Judice,

avatar

Marcus Bernardes Fundador

A Magia do Mundo dos Negócios – 2013

ARTIGOS RELACIONADOS

1 comentário

  1. Estamos querendo abrir uma empresa comercial – importadora em LA no setor de calçados , precisamos orientação no processo de abertura da empresa e no processo de comercialização



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *