Dinheiro é usado apenas em 20,5% das compras, segundo FIS

Um relatório global sobre meios de pagamento do FIS, que é referência em tecnologia de pagamento eletrônico, indica que a participação do dinheiro físico deve ser minimizada nos próximos anos

Dinheiro é usado apenas em 20,5% das compras, segundo FIS
Imagem Reprodução

Com o desenvolvimento das compras online durante a pandemia, o uso de dinheiro físico caiu drasticamente. Já que, de acordo com WorldPay from FIS, uma das maiores empresas de tecnologia de pagamento do mundo, essas cédulas representam apenas 20,5% do volume total de transações no ponto de venda. Em relação a 2019, o volume de transações caiu 32,1%.

Segundo a EXAME, no último relatório de tendências de meios de pagamento globais, a empresa mostrou que no Brasil um terço das pessoas com mais de 16 anos não tem conta em banco.

Em 2020, apenas 35% das transações usarão notas, em comparação com 47% no ano passado.

“A preferência pelo uso do dinheiro físico respeita uma equação complexa que envolve aspectos culturais, político-regulatórios, econômicos, tecnológicos e sociais. Enquanto em países como os Estados Unidos (12%) e China (13%) o dinheiro é cada vez menos utilizado, no Brasil está à frente de mercados considerados maduros, como a Alemanha, onde o dinheiro físico ainda é o método de pagamento preferido em 44% das vendas”, afirma Juan Pablo D’Ántiochia, gerente-geral da Worldpay from FIS para a América Latina.

Globalmente, apenas 20,5% das notas são utilizadas no volume total da transação no ponto de venda. Em relação a 2019, o volume de transações caiu 32,1%.

Na América Latina, o uso de dinheiro em espécie, que é a base do comércio latino-americano, cairá drasticamente (35%) até 2020.

Cartões

As diversas formas de pagamento com cartão foram responsáveis ​​pelo aumento da participação do financiamento de PDV em 2020. Os cartões de crédito aumentaram 17% em relação a 2019, atingindo 26,1% das despesas em 2020, enquanto os cartões de débito atingiram o total de transações 23,2% do valor .

Fora da região, à medida que o parcelamento se tornou uma realidade recente, o financiamento em PDV está ganhando impulso.

“Empresas como a Klarna e Afterpay crescem a ritmo acelerado ao oferecer soluções de crédito no check-out, algo realmente inovador em alguns mercados onde pagamentos parcelados não eram comuns, como nos Estados Unidos e Reino Unido”, afirma Juan Pablo D’Ántiochia, gerente-geral da Worldpay from FIS para América Latina.

Mesmo assim, o cartão de crédito não deve continuar sendo o meio de pagamento que deve crescer nos próximos três anos. De acordo com esta pesquisa, carteiras digitais e cartões de débito são os únicos métodos de pagamento no e-commerce que devem crescer até 2024.

Os cartões de crédito, transferências bancárias, pagamento na entrega e serviços pós-pagos irão gradualmente declinar na participação de pagamentos de comércio eletrônico.

Essa tendência também foi observada na área de consultoria Visa. As empresas de cartões acreditam que a implantação de tecnologias de segurança beneficiará as transações virtuais em 2020 e deve continuar a ser popular.

“O débito aqui deve crescer cada vez mais, principalmente na internet. É um ponto que a gente tem fomentado, principalmente o uso dele dentro dos e-commerces e marketplaces. A gente entende que vai ter um equilíbrio maior nos próximos anos”, afirma Oscar Pettezoni, diretor executivo da Visa Consulting & Analytics.

LEIA TAMBÉM: Fila de startups para IPO cresce

tag: comercio eletronico, compras, dinheiro, fis,

avatar

Marcus Bernardes Fundador

A Magia do Mundo dos Negócios – 2013

ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.