Sorvete de plantas? Sim, essa é a novidade da NotCo no Brasil!

O sorvete, ou melhor, não-sorvete da chilena NotCO chega ao mercado brasileiro em dezembro

Depois da não-maionese, agora é a vez do não-sorvete. Isso mesmo! A The Not Company, startup responsável pelos produtos, agora vai lançar sua sobremesa no Brasil e as expectativas são altas.

Fundadores da NotCo/Divulgação

Criada a partir da ideia de comida saudável, sustentável e que não impacte o meio ambiente, a NotCo já tem em seu portfolio a não-maionese, o não-chocolate, o não-leite e o não-sorvete. Em São Paulo, alguns supermercados já receberam o sorvete e até o fim de dezembro, devem ter o leite disponível.

Criada há quatro anos pelo economista Matías Muchnick, pelo cientista da computação Karim Pichara e pelo especialista em biotecnologia Pablo Zamora, a empresa desenvolve seus alimentos a partir de Giuseppe, um algoritmo de inteligência artificial pensado pelos próprios fundadores. O “chef” Giuseppe lê e testa todas as combinações possíveis com produtos vegetais por meio de suas bases moleculares. O alimento só chega ao consumidor após muitos testes, como sabor, estrutura, consistência etc.

Veganismo inspira empresas a criarem produtos inovadores

Para o sorvete, o Not IceCream, primeiro de tudo, foi preciso chegar à fórmula do Not Milk. No caso deste, com uma base de abacaxi, ervilha e repolho submetida à temperaturas específicas, foi possível chegar a um leite bem semelhante ao de vaca. O segundo ponto do processo foi adaptar a consistência (mais líquida ou com mais gordura) dependendo da preferência do mercado onde atuam.

“A partir do leite, nós podemos produzir todos os tipos de derivados, como iogurtes, queijos”, explicou à EXAME o presidente da operação no Brasil, Luis Augusto Silva.

A partir daí, a NotCo conseguiu criar três sabores de sorvete que em breve chegam às gôndolas brasileiras. O tradicional chocolate será mais adocicado aqui do que no Chile, por exemplo – seguindo a linha de adaptação das preferências do mercado atuante. Além dele, morango, cookies & cream e baunilha são as demais opções para o produto.

Desafios

Não é novidade que produtos orgânicos, veganos e/ou plant-based têm preços diferenciados no Brasil ou, no português claro, são mais caros. E é exatamente esse o desafio da NotCo no país.

“A Not Mayo chegou com um preço premium devido aos altos impostos sobre produtos à base de plantas no Brasil”, disse Silva sobre a chegada o primeiro produto da companhia aqui, a não-maionese. Uma solução, para ele, é a descrição dos produtos pelos regulamentos responsáveis no setor, de forma que a tributação sobre alimentos veganos diminua em comparação com os convencionais.

LEIA TAMBÉM:

avatar

Marcus Bernardes Fundador

A Magia do Mundo dos Negócios – 2013

ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *